terça-feira, 27 de outubro de 2009

Fluminense e as suas Sedes



Agora vou tentar falar sobre algo que pouquissímos torcedores sabem. A história das nossas sedes anteriores e a nossa atual. Como todo torcedor apaixonado pelo nosso Fluminense, a nossa atual sede se localiza na Rua Alvaro Chaves Nº 44 no bairro de Laranjeiras. Cujo terreno fora doado pelo nosso Patrono Oscar Cox.

Localizado ao lado do Palácio Guanabara, moradia do Governador do estado do Rio de Janeiro cujo atualmente é o Sergio Cabral, mas já fora a residencia oficial do Presidente da Republica enquanto a cidade maravilhosa fora capital federal.

Dentro da nossa maravilhosa sede temos o nosso majestoso estádio cujo é um dos nossos maiores orgulhos, onde ganhamos diversos títulos, craques foram lançados para o futebol mundial. Várias estrelas pisaram aquele gramado enquanto vestiam o nosso manto sagrado e honraram as nossas cores e a nossa história enquanto ela era construída ainda mais com ais glórias e conquistas.

Vamos lá, por curiosidade a nossa primeira sede foi inaugurada no dia 17/10/1902, A instalação inicial do clube tinha como endereço a Rua Guanabara, a atual Pinheiro Machado, esquina com a Rua do Roso, a atual Coelho Netto. O Fluminense alugava o terreno do Banco da República por cem mil réis. Porém, a primeira opção dos fundadores do Fluminense, era um terreno na Rua Dona Mariana, mas a proposta foi recusada pelo proprietário.

Só um ano mais tarde o terreno foi nivelado. Na época, a máquina niveladora e a de cortar grama eram puxadas por um burro. Para preservar o trabalho já feito, o animal era sempre cuidadosamente calçado com luvas de veludo nas quatro patas.
Mais tarde o terreno foi comprado por Eduardo Guinle e imediatamente começaram as obras para a construção da sede. Antes ela era uma pequena casa branca que servia de moradia para o vigia. Após a instalação de água e banheiro, o Fluminense já pagava o dobro do aluguel.

Em 14 de Agosto de 1904, foi realizado o primeiro jogo interestadual no campo da Rua Guanabara, contra o Paulistano. Este foi o jogo inaugural da nova praça de esportes no Rio de Janeiro e a diretoria do Fluminense mandou construir uma pequena arquibancada de madeira para acomodar o público, cobrando os primeiros ingressos para um jogo de futebol. Além dos sócios do Fluminense e convidados presentes, foram 806 cartões passados pelos sócios e 190 entradas vendidas a não-sócios na bilheteria, com o ingresso custando 2$000 e uma renda apurada de 1:992$000.

Em 1905, Eduardo Guinle construiu, por sua conta, a primeira arquibancada em campos de futebol do Rio de Janeiro. Concluído este melhoramento, o aluguel triplicou novamente. Neste mesmo ano, mediante empréstimo feito entre os sócios, foi demolida a primeira sede e construída a segunda.

A inauguração da terceira sede, em 27 de julho de 1915, foi muito comemorada, culminando com um baile no rink de patinação, quando foi entoado o primeiro hino do Fluminense, de autoria de Paulo Coelho Netto.

Ainda em 1915, o presidente Cunha Freire construiu arquibancada privativa para os sócios e suas famílias. O plano de expansão foi completado com a construção de um novo rink, aquisição de mobiliários, instalação elétrica, aumento das arquibancadas e construção das gerais.

Em 1918, começam as reformas que vão dar origem à quarta sede do Fluminense. As obras terminam em 1920, sob presidência de Arnaldo Guinle, que contratou o arquiteto Hipolyto Pujol para projetar as dependências. Com vitrais franceses e lustre de cristal, o Salão Nobre se tornou palco de muitos shows, bailes, desfiles, óperas e balé. Ainda hoje é muito utilizado para festas, reuniões e gravação de filmes como Anos Dourados, Dona Flor e seus dois maridos, Villa Lobos, novelas e comerciais.

A sede é própria e hoje é tombada pelo Patrimônio Histórico.

Em 1961, a pedido da Prefeitura e do Governo Estadual, parte de seu terreno foi desapropriado pela Sursan para ampliação da Rua Pinheiro Machado - uma área de 1.084m², que culminou com a demolição de uma parte da arquibancada. O Governo indenizou o clube pela perda de seu patrimônio e o Fluminense prestava novamente à cidade um serviço relevante, mesmo tendo um enorme prejuizo esportivo com esta medida.

5 comentários:

  1. Bela sede, porem precisamos de uma mais moderna pra transferir nosso futebol. Local esse que nao deve ser nem as Laranjeiras nem o campo do Zico

    ResponderExcluir
  2. A sede social do Fluminense é um verdadeiro "PALÁCIO" e deve ser tratado como tal.

    Infelizmente, o atual presidente não dá o devido valor a isto.

    Sobre a "demolição de uma parte da arquibancada" escrevi sobre esta passagem no livro "ESTÁDIO DAS LARANJEIRAS - MONUMENTO NACIONAL". O livro está no Blog "CIDADÃO FLUMINENSE".

    O endereço é:

    http://cidadaofluminense.blogspot.com

    Sou um profundo defensor do "ESTÁDIO DAS LARANJEIRAS". Aqueles que quiserem engajar-se nesta luta, serão bem-vindos. É só fazer contato no referido blog.

    OBS: O "TRICOLOR DO BRASIL" está de parabéns pelo texto e pela belíssima foto de nosso time ainda com a primeira camisa cinza e branca. Esta camisa é um "charm".

    Saudações Tricolores,

    EDUARDO COELHO

    Saudações Tricolores,

    EDUARDO COELHO

    "EU ACREDITO"!!!

    ResponderExcluir
  3. CADA VEZ MELHOR ESSE BLOG, UMA AULA DA HISTORIA TRICOLOR.

    PARABENS.

    ResponderExcluir
  4. Diogo, parabéns pelo blog. Muito bom.

    ResponderExcluir
  5. Só li esse post hoje...mais uma vez, ótimo!

    Bom trabalho, amigo!

    No aguardo dos próximos!

    ResponderExcluir